Open Journal Systems

Hegemonia e Validade do Positivismo nos Estudos Organizacionais

Bruno Eduardo Freitas Honorato, Luiz Alex Silva Saraiva

Resumo


Nesse artigo os objetivos são questionar a validade do paradigma positivista/funcionalista nos estudos organizacionais e discutir sua atual posição hegemônica nesse campo. Apontamos quatro objeções principais ao positivismo: i) o positivismo lógico é invalido e, portanto, o positivismo também o é; ii) o funcionalismo é inválido; iii) o positivismo assume pressupostos ontologicamente problemáticos; e iv) o positivismo falha por não usar um método hermenêutico. As principais implicações do texto se referem à necessidade de questionamento sistemático da hegemonia positivista/funcionalista devido aos equívocos sugeridos enquanto forma de pensar, o que implica relativização dessa perspectiva e a abertura para novas abordagens.


Palavras-chave


Hegemonia; Funcionalismo; Positivismo nas organizações; Epistemologia; Critica ao positivismo

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERTI, V. A existência na história: revelações e riscos da hermenêutica. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 9, n. 17, p. 31-57, 1996.

AYER, A. J. Language, truth and logic. London: Gollancz, 1936. 254 p.

BLAU, P. M. A formal theory of differentiation in organization. American Sociological Review, Thousand Oaks, v. 35, n. 2, p. 201-18, Apr. 1970.

BLAU, P. M. Interdependence and hierarchy in organizations. Social Science Research, Burlington, v. 1, n. 1, p. 1-24, Apr. 1972.

BOHMAN, J. New philosophy of social science: problems of indeterminacy. Cambridge: MIT Press, 1991. 280 p.

BURELL, G.; MORGAN, G. Sociological paradigms and organizational analysis. London: Heinemann, 1979. 432 p.

COMTE, A. Curso de filosofia positiva. In: Os pensadores. São Paulo: Abril cultural, 1978. p. 1-39.

DONALDSON, L. Organization theory as a positive science. In: TSOUKAS, H.; KNUDSEN, C. (Ed.) The oxford handbook of organizational theory: meta-theoretical perspectives. Oxford: Oxford University Press, 2003. p. 39-62.

DURKHEIM, E. As regras do método sociológico. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1976. 128 p.

ELSTER, J. Marx hoje. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989. 219 p.

FOSS, N. J. Bounded rationality in the economics of organizations: “much cited and little used”. Journal of Economic Psychology, Amsterdam, v. 24, n. 5, p. 245-264, 2003.

KUNH, T. S. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 1975. 262 p.

KUNH, T. S. A função do dogma na investigação científica. In: DEUS, J. D. (Org.). A crítica da ciência: sociologia e ideologia da ciência. Rio de Janeiro: Zahar, 1974. p. 53-80.

LAKATOS, I.; MUSGRAVE, A. (Org.). A crítica e o desenvolvimento do conhecimento. São Paulo: Cultrix, 1979. 343 p.

LIMA, L. A. A representação das múltiplas dimensões paradigmáticas no estudo da administração: um ensaio sobre os limites contidos nas defesas paradigmáticas excludentes. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 15, n. 2, p. 198-208, abr. 2011.

PERISSINOTTO, R. Marxismo e ciência social: um balanço crítico do marxismo analítico. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 25, n. 73, p. 113-128, jun. 2010.

POPPER, K. A lógica das ciências sociais. Rio de Janeiro: Tempo e presença, 1978. 101 p.

GONZÁLEZ REY, F. Pesquisa qualitativa e subjetividade: os processos de construção da informação. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005. 222 p.

SIMON, H. Comportamento administrativo. Rio de Janeiro: FGV, 1965. 352 p.

VIEIRA, M. M. F.; CALDAS, M. P. Teoria crítica e pós-modernismo: principais alternativas à hegemonia funcionalista. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 46, n. 1, p. 59-70, jan. /mar. 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2318-9193